O AVANÇO DO REINO DE DEUS EM UM MUNDO COM CORONAVÍRUS

 

Como está escrito: "Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro".Romanos 8:36

Quando olhamos para esquerda e para direita vemos o caos que o pecado trouxe e as consequências geradas em um mundo caído. Porém, “não há nada de novo debaixo do sol.” (Ec. 1:9). Doenças e catástrofes naturais sempre caminharam juntos com a humanidade. Imoralidades e falta de amor ao próximo também sempre fizeram parte do cotidiano.

Há 2000 anos a Igreja tem lidado com todos esses problemas e procurando respostas, sejam tais problemas esses morais ou naturais. Um exemplo disso é a forma que a Igreja enfrentou a peste de Antonina. Historiadores sugerem que o cristianismo se espalhou durante a terrível peste de Antonina durante o segundo século, que se estima ter matado um quarto do império romano, pois os cristãos cuidaram dos doentes e ofereceram uma resposta bíblica para o problema enfrentado.[1]

Em 2020 não foi diferente. Muitos cristãos se levantaram para lidar com a pandemia, muitos na linha de frente se expondo ao risco de se contaminarem enquanto tratavam dos infectados, outros se dispuseram a ficar isolados em casa cultuando online e desenvolvendo respostas bíblicas para situação que ainda vivemos no mundo e assim de alguma forma dando continuidade ao legado cristão que se perpetua pelos séculos.

Sim, o covid-19 foi algo que afetou a todos de alguma forma, sem se importar se você é cristão ou não. Muitos perderam familiares, amigos, saúde, trabalho ou até mesmo a esperança de um futuro melhor. Porém em meio ao caos que o vírus nos colocou – e de discursos de proeminentes líderes evangélicos com base em teorias da conspiração - a Igreja não deixou de avançar. Além dos cristãos na linha de frente no combate ao vírus, muitas igrejas locais deram início a trabalhos sociais para cuidar dos mais necessitados em sua comunidade. Já no quesito evangelismo os cultos online receberam muitos não-cristãos que tinham uma forte resistência com participar de cultos realizado de forma “convencional”, mas que tiveram a oportunidade de ouvir as boas novas de salvação via internet.

Martinho Lutero rejeitou as convocações para fugir da peste bubônica que assolou Wittenberg em 1527 e publicou uma resposta cristã ao problema. “Nós morremos nos nossos postos. Os médicos cristãos não podem abandonar os seus hospitais, os governadores cristãos não podem fugir de seus distritos, os pastores cristãos não podem abandonar as suas congregações. A peste não dissolve as nossas obrigações: ela nos dirige às cruzes, nas quais devemos estar preparados para morrer.”[2] Talvez essa resposta possa nos dar uma noção de qual deve ser a nossa postura para situações como essa que estamos passando e outras que muito provavelmente iremos passar

Por amor de Cristo sempre enfrentamos a morte todos os dias nesses 2000 anos – esse ano enfrentamos a morte que poderia vir galopando um novo vírus e as consequências trazidas por ele –, mas seja em meio a pandemias, terremotos ou jogados aos leões para o entretenimento de uma população sedenta por carnificina o Evangelho de Cristo é proclamado e o Reino de Deus continua avançando.

 

 

 




Não perca a chance de conhecer sua Bíblia de capa a capa!

[1] Stone, Lyaman, Christianity Has Been Handling Epidemics for 2000 Years, https://foreignpolicy.com/2020/03/13/christianity-epidemics-2000-years-should-i-still-go-to-church-coronavirus/ (acessado em 21/09/2020)

[2] Lennox, John C., Where Is God In A Coronavirus World? (Great Britain 2020, The Good Book Company) p.54-55.

Comentários